Documentos:
» Pesquisar
Date Picker
» História
INFORMAÇÃO SUMÁRIA DA FREGUESIA DE ENTRE AMBOS-OS-RIOS

 

Padroeiro: S. Miguel.

Habitantes: Cerca de 502 habitantes (I.N.E.2011) e 626 eleitores em 05-06-2011.

Sectores laborais: Agricultura.

Tradições festivas: S. Miguel (29 de Setembro), Senhora de Fátima (1º domingo após ao 13 de Maio) e Santo Amaro (15 de Janeiro).

Valores Patrimoniais e aspectos turísticos: Igreja Matriz, cruzeiro, ponte romana sobre o Tamente, núcleo museológico e Monumento de Nossa Senhra de Fátima.

Colectividades:  Associação Cultural Recreativa e Desportiva  de Entre Ambos-os-Rios que inclui: Futsal, Rancho Folclórico e Etnográfico, e Grupo de Bombos.

 

 

RESENHA HISTÓRICA DA FREGUESIA DE ENTRE AMBOS-OS-RIOS

 

Nas Inquirições de D. Afonso lI, São Miguel de Entre Ambos-os-Rios já vem referida, dizendo-se que "Hospitale [habet] VII casalia in suo cauto".

Em 1258, nas Inquirições de D. Afonso III, é de novo mencionada, "In collatione Sancti Michaelis d Antrambos Rios", como sendo couto "per padrões".

No catálogo das igrejas, organizado em 1320, São Miguel de Entre Ambos-os-Rios, incluída na Terra do Vade ou de Nóbrega, foi taxada em 75 libras.

No registo da cobrança das "colheitas" dos benefícios eclesiásticos do arcebispado de Braga, na parte respeitante às igrejas da Terra de Nóbrega, feita entre 1489 e 1493, D. Jorge da Costa apurou o rendimento de São Miguel de Entre Ambos-os-Rios em 6 libras, sendo, em dinheiro com "morturas", 467 réis e 6 pretos, e, de dízimas de searas, 109 reis e 3 pretos.

Em 1528, o Livro dos Benefícios e Comendas atribui-lhe um rendimento de 20 mil réis.

Américo Costa descreve-a como abadia da apresentação do Ordinário.

Segundo Pinho Leal, o direito de apresentação cabia ao arcebispo, mediante concurso sinodal. Refere, ainda este autor que Entre Ambos-os-Rios teve como anexas as freguesias de Ermida, São João e São Tiago de Vila Chã.

Em termos administrativos a freguesia pertenceu ao concelho de Aboim da Nóbrega, até à extinção deste, por decreto de 31 de Dezembro de 1853, tendo passado, desde então, a fazer parte do concelho de Ponte da Barca. Em 1927, pelo decreto n" 13917, de 9 de Julho, a comarca de Ponte da Barca foi suprimida, sendo as freguesias do concelho anexadas, para efeitos judiciais, à comarca de Arcos de Valdevez.

 


 

INFORMAÇÃO SUMÁRIA DA FREGUESIA DE ERMIDA


Padroeiro: S. Silvestre.
Habitantes: 61 habitantes (I.N.E.2011) e 128 eleitores em 05-06-2011.
Sectores laborais: Agricultura e pastorícia.
Tradições festivas: S. Silvestre (última noite do ano), Senhora do Rosário e Coração de Maria (domingo seguinte à Páscoa), S. Sebastião e Santo António (2ª feira seguinte à Páscoa).
Valores Patrimoniais e aspectos turísticos: Igreja Matriz, cruzeiro, núcleo museológico, Estátua de Menhir, Pedra dos Namorados e citânia de Bilhares.
Artesanato:  Tecelagem e cestaria.
 
 
 
Com uma área de aproximadamente 1121 ha,  distribuídos pela zona montanhosa da Serra Amarela, que faz parte do maciço da Serra do Gerez, a Freguesia de Ermida dista cerca de  16 km da vila de Ponte da Barca, a sede do concelho a que pertence.
A nível populacional, tem acerca de  83 habitantes. Apresenta, portanto, uma  densidade populacional de cerca de 7 hab/km². Face à emigração para outras localidades dentro e fora do país, o numero de eleitores supera o dos habitantes, assim, tem-se nesta terra quase 100 eleitores.
Ermida tem os seus limites estabelecidos com as freguesia vizinhas, da seguinte forma: a Norte, a Freguesia de Britelo. A Sul, a Freguesia de Campos do Gerez (concelho de Terras de Bouro). a Nascente, a Freguesia de Lindoso e a Poente, a Freguesia de Entre-Ambos-Os-Rios e a Freguesia de Germil.
 A sua actividade económica baseia-se na agricultura e pastorícia. As suas festas tradicionais são: S. Silvestre (última noite do ano), Senhora do Rosário e Coração de Maria (domingo seguinte à Páscoa), S. Sebastião e Santo António (2ª feira seguinte à Páscoa).Por valores patrimoniais e aspectos turísticos deve referir-se a Igreja Matriz, o cruzeiro, o núcleo museológico ( Estátua de Menhir, Pedra dos Namorados expostos no Museu Soares dos Reis - Porto) e citânia de Bilhares.
No artesanato, apresenta a tecelagem e cestaria.
Os rios Froufe  e Carcerelha, são duas preciosidades desta freguesia. Com os seus  lidíssimos cursos de água  entre seixos e granitos e com  em quedas de agua a marcarem um cenário edílico, são valores incalculáveis. As suas espectaculares paisagens sobre toda  a região, com predominância para  o vale do Lima, entre  as terras do Lindoso e Ponte da Barca, são outros dos motivos que vale a pena referir  como aspectos de muita importância na descrição desta freguesia.
 

O topónimo parece ter a  sua origem numa “ermida” que venerava o mártir bracarense S. Silvestre.
Entre o património arqueológico mais importante de Ponte da Barca, a Freguesia da Ermida contribui de forma muito significativa, tendo em conta a famosa Pedra dos Namorados e a estátua menhir da Ermida. São monumentos pré-históricos que se encontram depositados no Museu Soares dos Reis, no Porto. Sabe-se que foi em 1981 que o conhecido arqueólogo, Dr. António Martinho Baptista, encontrou este menhir e é o mesmo que dá  valor simbólico às armas da Freguesia de Ermida, mede 1,50 m de comprimento, por cerca de 45 cm de largura. A Pedra dos Namorados, encontrava-se num local a que se atribuiu o nome de Veiga dos Namorados, por isso mesmo. Situa-se no Lugar de Bilhares, que apresenta um núcleo de raízes, com características castrejas.
Ainda, acerca da história desta freguesia, temos no livro "Inventário Colectivo dos registros Paroquiais Vol. 2 Norte Arquivos Nacionais Torre do Tombo", a seguinte resenha que transcrevemos na integra: « O Censual de Braga omite no concelho de Ponte da Barca, até ao século XVIII a freguesia de Ermida (São Silvestre). Porém segundo alguns autores, o topónimo da freguesia poderá derivar de "uma ermida" com comunidade monástica pré-nacional dedicada a São Silvestre, um mártir bracarense do século V.
Américo Costa descreve-a como um curato anexo à abadia de São Miguel de Entre Ambos-os-Rios, pertencendo a apresentação do seu cura ao abade desta freguesia. Refere ainda que São Silvestre da Ermida se veio, posteriormente, a autonomizar de São Miguel de Entre-Ambos-os-Rios, voltando, contudo, a anexar-se-lhe na primeira metade do século XIX.
Em termos administrativos, pertenceu, em 1839, à comarca de Braga e, em 1852, à de Pico de Regalados. Em 1862, fazia parte da comarca de Vila Verde e, em 1878, da de Ponte da Barca. Em 1927, por força do decreto nº 13917, de 9 de Julho, a comarca de Ponte da Barca foi extinta, sendo as freguesias do concelho anexadas, para efeitos judiciais, à de Arcos de Valdevez».
 

 

INFORMAÇÃO SUMÁRIA DA FREGUESIA DE GERMIL
 

Padroeiro: S. Vicente.
Habitantes: 48 habitantes (I.N.E.2011) e 106 eleitores em 05-06-2011.
Sectores laborais: Agricultura.
Tradições festivas: S. Vicente (22 de Janeiro), Coração de Jesus (3º domingo de Setembro) e Senhora da Penha de França (último domingo de Setembro).
Valores Patrimoniais e aspectos turísticos: Igreja paroquial, alminhas do Barreiro e relógio do sol.
Artesanato: Cestaria e croças.

 

ASPECTOS GEOGRÁFICOS DA FREGUESIA DE GERMIL

A Freguesia de Germil, está localizada em plena serra Amarela, que é uma das serras que compõe o maciço da serra da Peneda-Gerez.
Entre vales e montanhas, de terras férteis, a agricultura sobressai-se por isso mesmo com sendo a sua principal fonte de subsistência.
Dista cerca de 17 km da vila de Ponte da Barca, que é a sede do concelho a que pertence.
Os seus limites estão estabelecidos da seguinte forma: A Norte, está a Freguesia de Entre-Ambos-Os-Rios, a Sul, estão as Freguesias de Brufe e de Cibões, do Concelho de Terras de Bouro. A Nascente a Freguesia de Ermida e a Poente a Freguesia de Vila Chã-S.João, estas duas últimas, igualmente, irmãs do concelho barquense.

RESENHA HISTÓRICA DA FREGUESIA DE GERMIL


A primeira referência a Germil data das Inquirições de D. Afonso III, de 1258, sendo aí mencionada "In collatione Sancti Vincentii de Gilmir (...)". Nelas se informa também que "'Gilmir et Vergazo sunt de Armelo, et que jacem in conto per padroes".
No catálogo das igrejas, organizado no reinado de D. Dinis, para pagamento de taxa, São Vicente de Gemil, incluída na Terra de Nóbrega, foi taxada em apenas 15 libras. No registo da cobrança das "colheitas" dos benefícios eclesiásticos do arcebispado de Braga, feito entre 1489 e 1493, D. Jorge da Costa apurou que Germil rendia em dinheiro, com "morturas", 67 réis e 8 pretos. Situava-se na Terra de Nóbrega.
Em 1528, o Livro dos Benefícios e Comendas, registava São Vicente de Germil como sendo anexa ao mosteiro de Vila Nova de Muia.
O Censual de D. Diogo de Sousa, poucos anos atrás, mencionava-as já dessa forma.
Américo Costa descreve esta freguesia como curato anexo ao dito convento de Muia, que se tornou, mais tarde, freguesia independente com o título de vigairaria.
Em termos administrativos, pertenceu, em 1839, à comarca de Ponte de Lima, em 1852, à de Arcos de Valdevez e, em 1878, à de Ponte da Barca. Em 1927, pelo decreto nº 13917, de 9 de Julho, a comarca de Ponte da Barca foi suprimida, sendo as freguesias do concelho anexadas, para efeitos judiciais, à de Arcos de Valdevez.
Considerados de muita importância para esta freguesia são sem dúvida os Relógios de Sol pelas suas características e imponência, pelo que são motivo de visitas a Germil, e pela utilidade de que desfrutaram no passado desta freguesia, quando eram um dos poucos meios de se acompanhar o evoluir da horas por esta paragens.

 
Fonte consultada:  Inventário Colectivo dos Registros Paroquiais Vol. 2 Norte Arquivos Nacionais Torre do Tombo.
Novos autarcas...
2014-01-28 12:31:00 Em virtude das recentes eleições e da agregação de freguesias...
Tempo Viana do Castelo